Cotidiano Humor

Perucas

Por: Zeneide Ribeiro de Santana

Seria madrinha de casamento e resolveu usar uma peruca, que lhe proporcionou uma aparência  ótima, combinando perfeitamente com o vestido longo, elegante.

Noite quente. Já no altar, junto aos outros padrinhos, percebeu alguém ligando o ventilador, bem ao seu lado. Sentindo os cabelos esvoaçarem, apavorada, colocou a mão na cabeça e olhou suplicante para o marido, que entendeu e fez sinal para que desligassem o aparelho. Só que a pessoa não estava mais lá e, então, ele falou para o mais próximo ir passando o recado, mas ninguém entendia direito. E ela ali, angustiada, com a mão grudada nos cabelos que teimavam em voar. Nisso, entrou o noivo, todo garboso.

O marido, pressentindo que a noiva já ia chegar e percebendo o desespero da mulher, falou alto: “Desliguem esse ventilador, se não vai sair a peruca dela!”  Assim mesmo, com cacófato e tudo!

Outro caso aconteceu há muito tempo, numa aula de Literatura Portuguesa. O professor, apaixonado por Camões, todo teatral, falava sobre a biografia do famoso poeta. Num determinado ponto, contando sobre o naufrágio que ele havia sofrido, disse que, conforme a lenda, nele perdeu a vida a amada do autor, Dinamene, para quem, mais tarde, dedicou aquele célebre soneto que começa assim:

Alma minha gentil, que te partiste
Tão cedo desta vida descontente,
Repousa lá no Céu eternamente
E viva eu cá na terra sempre triste.

Acrescentou que, nessa viagem, Camões trazia sua obra-prima, “Os Lusíadas“, que conseguiu salvar do naufrágio. Então, para fazer graça, comentou:

– Quase se perdeu  o maior poema  épico em Língua Portuguesa, a glória de Portugal. Na verdade, o poeta estava mais interessado em salvar sua obra de arte. Se ele quisesse mesmo, poderia salvar a moça. Bastava segurá-la pelos cabelos. Assim!”

E exemplificou: agarrou a cabeleira da nossa colega que sentava na primeira fila. Foi aí que ele se viu com os longos cabelos dela nas mãos. E a menina ficou roxa, de tanta vergonha. Ninguém suspeitava de que ela usava peruca…

Micos, de novo! Quem está livres deles?

About the author

Zeneide

Meu nome é Zeneide Ribeiro de Santana, professora de Língua Portuguesa e Literatura. Já sou aposentada e aproveito meu tempo lendo bastante e tricotando um pouco.

Leave a Comment