Cotidiano Recordações

Triste lembrança

pexels-photo-168417
Written by Zeneide

 

Já faz tempo, mas ainda me lembro de um aluno do Ensino Fundamental. Era bem mais velho que os colegas, pois se atrasara por causa de sérios problemas de saúde. Frequentava uma quarta série “fraca”- denominação da época. Eu me desdobrava para desenvolver atividades diferenciadas, tentando uma aceleração. Era muito esforçado, mas sua doença o levou a uma internação. Sua mãe vinha sempre à escola para levar as atividades que ele não queria perder. Até os médicos e enfermeiros se admiravam da sua força de vontade.

Seu problema agravou-se muito e ele foi liberado para ser cuidado em casa. Todos os dias, após a aula , passava por lá para uma visita breve. Não levava lições, apenas revistinhas para ele se distrair.

Uma vez me surpreendi ao vê-lo sentado no sofá, pois geralmente estava deitado ou recostado. Não apenas isso: ele estava vestido com o uniforme completo do seu time, o Palmeiras. Havia sido visitado por um jogador desse time, que residia em S. Caetano e que, ao saber da enfermidade do jovem torcedor, levou aqueles presentes, inclusive a camisa autografada pelos jogadores.

Ele parecia bem feliz e me mostrou a bola de futebol oficial, que ganhara também. Fiquei comovida com aquela cena, que me tocou ainda mais quando reparei nas pernas inertes, com o meião alviverde e nos pés calçados com as chuteiras novas, tão inúteis. Atleta só no visual!

Logo mais quis se deitar: o esforço fora  demasiado. Sem entender o porquê daquela doença, como ainda não entendo, orei silenciosamente por ele e pela mãe que cuidava dele com grande carinho, disfarçando as lágrimas.

Na semana seguinte, um ônibus nos levou ao cemitério. Fizemos duas filas, os colegas de classe e eu, todos com uma rosa vermelha nas mãos, para a despedida. Triste demais.

Sei, Senhor, que tudo sabes e que os “teus pensamentos não são os nossos pensamentos” (Isaías 55:8). Hoje, tanto tempo passado, ainda agradeço pela oportunidade de ter aprendido e ensinado solidariedade.

Também consigo imaginar um campo verdejante, onde ele pode jogar bola e correr à vontade, sem nunca se cansar…

About the author

Zeneide

Meu nome é Zeneide Ribeiro de Santana, professora de Língua Portuguesa e Literatura. Já sou aposentada e aproveito meu tempo lendo bastante e tricotando um pouco.

Leave a Comment