Recordações

Conta-me a velha história

velha história
Written by Zeneide

Não há quem não aprecie uma boa narração. Desde a época pré-histórica, o homem se comunicava com seus desenhos nas paredes das cavernas. Registrava, com fortes traços, suas peripécias nas caçadas, para que a mulher e os companheiros soubessem de sua valentia e coragem.

Entre todas as histórias, reais ou fictícias, creio que a mais apreciada é a do Natal, em que o nascimento de Jesus, o Rei dos Reis, naquela humilde estrebaria continua comovendo adultos e crianças através dos séculos.

Entretanto, esse bebê da manjedoura cresceu “em sabedoria e graça diante de Deus e dos homens”, tornou-se adulto e começou um ministério de ensinamentos, amor, curas e milagres. Deu lições de humildade, inovou conceitos, valorizou relacionamentos. Porém, foi incompreendido, condenado e morto na cruz.

Como Cordeiro de Deus, foi imolado, tomando sobre si toda a culpa da humanidade. Antes disso, celebrou a Páscoa com seus discípulos, explicando que o pão simbolizava seu corpo que seria moído e o vinho, a nova aliança do seu sangue. Muito significativa sua recomendação: “Fazei isso em memória de mim”.

Mas, vitória das vitórias: ressuscitou no terceiro dia! Venceu a morte, o que garante a vida eterna aos que nele creem. E é isso que a velha história da Páscoa relembra, pois Páscoa significa passagem.

Sim, passagem …

– da escravidão para a liberdade

– das trevas para a luz

– da tristeza para a alegria

– da culpa para o perdão

– da morte para a vida

Maravilhosa essa velha história, não é mesmo?  Linda e verdadeira!

About the author

Zeneide

Meu nome é Zeneide Ribeiro de Santana, professora de Língua Portuguesa e Literatura. Já sou aposentada e aproveito meu tempo lendo bastante e tricotando um pouco.

Leave a Comment