Cotidiano

Que é isso?

person-human-child-girl-face-laugh-joy
Written by Zeneide

 

Certas palavras ou conceitos de uso frequente por algumas pessoas constituem verdadeiros enigmas para outras. Como exemplo, cito alguns casos.

Meus filhos, ainda pequenos, quando “ajudavam” o pai a consertar um encanamento, reviraram a caixa de ferramentas e vieram com várias delas para que ele mesmo pegasse o grifo solicitado, pois não sabiam qual era. Então, de comum acordo (coisa rara!) apelidaram o grifo de “fagundes”, não sei por quê. Talvez porque tem a forma de “F”…  Até hoje o chamam assim.

Conheço alguém, adulto, que se atrapalhou todo quando teve de procurar uma fronha. Só sabia que tinha a ver com roupa de cama e pensava que era um lençol ou colcha. Um dia destes, toda orgulhosa, perguntei se meu filho tinha visto a linda orquídea que  abrira no vaso do quintal e ele, sério, “E o que é uma orquídea?”.

Minha prima, quando pequena, perguntou se o vizinho, Sr. Teodoro, era irmão do seu pai ou da sua mãe.

–  Por quê? – estranharam.

–  Ué! Ele não é meu tio? Não é o tio Doro?

Uma vez, numa questão de prova, apresentei vários textos para que os alunos indicassem a função da linguagem predominante em cada um deles. Uma aluna me falou baixinho que tinha estudado tudo e que não se lembrava nada da função com esse nome – predominante. Achava que eu não tinha ensinado…

Soube de um caso em que um aluno, redigindo sobre a pena de morte, descreveu as peripécias de uma pena de galinha que voou com a ventania e foi parar no coque do penteado de uma senhora grã-fina. Era uma pena “de morte”. Culpa de quem deu um tema desses para quinta série…

Já ouvi duas crianças discutindo, brigando mesmo, quando uma delas xingou a outra:

– Sua … sua … estrogonofe!!!

Há alguns termos que, realmente, soam como palavrões. Paralelepípedo, por exemplo.

Melhor encerrar mencionando palavras de som aberto, de conotação mais positiva, como amizade, alegria, gargalhada, solidariedade…

About the author

Zeneide

Meu nome é Zeneide Ribeiro de Santana, professora de Língua Portuguesa e Literatura. Já sou aposentada e aproveito meu tempo lendo bastante e tricotando um pouco.

2 Comments

Leave a Comment