Cotidiano

Sofrimento e lembrança

praia
Written by Zeneide

Há anos, quando exerci a função de Assistente de Diretor de Escola, atendi uma criança de oito anos, que chorava todos os dias nas aulas. Não havia Orientador Educacional no Colégio; então conversei várias vezes com a menina e, separadamente, com a mãe dela. Confesso que não tinha experiência nessa área, mas fui atenciosa e consegui que a garotinha confiasse em mim. Lembro-me de que lhe perguntei  sobre algum lugar bonito aonde ela tivesse ido a passeio. Seus olhos brilharam quando falou de uma viagem ao litoral, com os pais e tios. Disse que gostou demais de ter brincado na praia com as primas.

Aproveitando o momento, falei:

– Então, vamos combinar uma coisa? Toda vez que você quiser chorar, lembre-se desse passeio, das primas, das brincadeiras na praia. Você vai se sentir tão bem, que o choro irá embora.

Ela pensou um pouco, me olhou séria e depois concordou, com os olhos já secos.

Recordei isso estes dias, ao me deparar com a frase:

“Quando você estiver sofrendo, lembre-se de um momento feliz. Um único pirilampo acaba com a escuridão”. ( Alejandro Jodorowsky )

Não é fácil enfrentar o sofrimento, seja qual for o motivo ou a idade de quem sofre. Mesmo que alguém julgue que aquilo é bobagem, ou que passa logo, só quem vive a dor sabe avaliar sua intensidade. Pode ser, sim, que seja breve a duração, mas certos ferimentos são difíceis de cicatrizar…

Acho que é bom, sim, experimentar o conselho acima. Mesmo que estejamos atravessando terrenos escarpados ou pedregosos, já caminhamos também por belas estradas floridas, atravessamos pontes sobre regatos cristalinos e repousamos em gramados muito verdes…

Que a lembrança desses momentos felizes nos desperte para o lado tranquilo da vida, que expulse a tristeza  e traga de volta a alegria, aquela que desfrutamos no relacionamento com a família e os amigos. Vamos trazer à memória o que pode nos dar esperança!

Confiemos na promessa de um tempo em que  “Deus limpará de seus olhos toda a lágrima; e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor…”

 

 

 

 

About the author

Zeneide

Meu nome é Zeneide Ribeiro de Santana, professora de Língua Portuguesa e Literatura. Já sou aposentada e aproveito meu tempo lendo bastante e tricotando um pouco.

Leave a Comment